Afficher le menu
Information and comments (0)
<<   1, 2, 3, ..., 40, 41, 42   >   >>

Info:
AteliÍ A donzela tecel„ - Um local em Montemor para os apreciadores da moda.

[RP] AteliÍ - A Donzela Tecel„ - tecendo sonhos...

Beatrix_algrave
A Donzela Tecelã - tecendo sonhos...
Ateliê de tecelagem e costura - Aceitamos encomendas






"Acordava ainda no escuro, como se ouvisse o sol chegando atrás das beiradas da noite. E logo sentava-se ao tear.

Linha clara, para começar o dia. Delicado traço cor da luz, que ela ia passando entre os fios estendidos, enquanto lá fora a claridade da manhã desenhava o horizonte.

Se era forte demais o sol, e no jardim pendiam as pétalas, a moça colocava na lançadeira grossos fios cinzentos do algodão mais felpudo. Em breve, na penumbra trazida pelas nuvens, escolhia um fio de prata, que em pontos longos rebordava sobre o tecido. Leve, a chuva vinha cumprimentá-la à janela.

Mas se durante muitos dias o vento e o frio brigavam com as folhas e espantavam os pássaros, bastava a moça tecer com seus belos fios dourados, para que o sol voltasse a acalmar a natureza.

Assim, jogando a lançadeira de um lado para outro e batendo os grandes pentes do tear para frente e para trás, a moça passava os seus dias."



O amplo galpão começa a ser tomado por mesas com peças de tecido, linhas, e pelos demais utensílios próprios do ofício.

Uma roca de fiar e um fuso são dispostos próximos a uma janela, para que a tecelã possa olhar a paisagem enquanto fia e ver o movimento na rua.

Lá fora, o espaço próprio para uma plaqueta de madeira está com o suporte vazio, o que indica que o ateliê ainda não abriu.

O tear é colocado com muito cuidado no canto oposto ao fuso. Os pentes e o urdume carentes da lã lhe dão um aspecto de ociosidade. Uma moça de vestido vermelho e cabelos presos começa a remover antigos fios do tear para que ele esteja pronto para quando o ateliê abrir suas portas.

O silêncio é quebrado pelo arrastar suave de uma vassoura, que varre os restos do que foi um armazém de cereais, alguns grãos de milho e palhas de trigo são jogadas para fora com o vai-e-vem da vassoura. Logo esse movimento será substituído pelo vai-e-vem dos teares e pelo giro sem fim do fuso da roca. E logo o silêncio cederá espaço para o canto alegre das fiandeiras.



OOC: Ainda que essa que vos escreve tenha realmente um negócio de tecelagem no jogo, esse espaço foi criado com o propósito de ser meramente um espaço de RP (Roleplay).

Claro que também divulgo meu trabalho, mas quem comparece aqui não precisa fazer encomendas "reais". É apenas para simular compras e interagir por pura diversão.
Encomendas "reais", no entanto, poderão ser feitas por mensagem privada caso o queiram.

_________________
Beatrix_algrave






"Nada lhe faltava...Tecer era tudo o que fazia. Tecer era tudo o que queria fazer."

No dia seguinte, após a chuva torrencial que caiu sobre a cidade, os últimos detalhes para a abertura do ateliê eram dados.

Felizmente, nada abalou o prédio recém reformado, nem as paredes de pedra nem a parte ampliada com paredes de madeira, da curiosa construção.

Na parte de cima já estavam os teares e tudo necessário ao fabrico de tecidos e ao preparo das delicadas peles de carneiro que seriam usadas na confecção de chapéus, luvas e calçados. A organização da parte que realmente funcionaria como ateliê de costura e fiação era finalmente concluída.

Essa parte do casarão possuía paredes grossas de pedra e amplas janelas envidraçadas. Ainda que apresentasse um tom mais rústico, possuía também seu charme.

Algumas mesas foram espalhadas e sobre elas alguns trabalhos concluídos foram dispostos. Eram cortes de tecido, chapéus e diversas peças de roupa. Baús dispostos em algumas partes do salão, continham materiais e tecidos mais finos. Também havia dois manequins de madeira e pano ostentando vestidos prontos para exposição.

Uma bela roca de madeira clara estava disposta próxima a uma das janelas. E próximo a ela estava um cesto com alguns novelos de lã prontos.

Na janelinha estava ainda um lindo vasinho de rosas vermelhas que conferia uma certa delicadeza e alegria ao ambiente.

Com tudo pronto, em seus pequenos detalhes, era hora de finalmente abrir o ateliê. Assim, o letreiro foi finalmente disposto na entrada do casarão, na porta esquerda, que dava acesso ao negócio. Em cima da porta foi pintado com capricho.

A Donzela Tecelã
Tecendo sonhos...
Ateliê de tecelagem e costura - Aceitamos encomendas.


Ainda naquela tarde, várias correspondências seriam enviadas convidando a sociedade montemorense para prestigiar a inauguração daquele espaço dedicado à elegância e ao bom gosto dos figurinos.

Logo chegariam as encomendas de quitutes e bebidas requisitados para a ocasião. Os convivas seriam recebidos no porta direita do casarão, que era também morada da tecelã e proprietária do ateliê.


OOC: Ainda que essa que vos escreve tenha realmente um negócio de tecelagem no jogo, esse espaço foi criado com o propósito de ser meramente um espaço de RP (Roleplay).

Claro que também divulgo meu trabalho, mas quem comparece aqui não precisa fazer encomendas "reais". É apenas para simular compras e interagir por pura diversão.
Encomendas "reais", no entanto, poderão ser feitas por mensagem privada caso o queiram.

_________________
Humelhor


Humelhor estava quase partindo em sua longa viajem, mas antes resolveu parabenizar a dama Beatrix por seu trabalho e por sua beleza.

Que sua prosperidade não tenha fim, seja sábia ao negociar e feliz ao trabalhar.


Sendo estas suas palavras, parte com os seus para a terra onde defendeu com a honra.

_________________
Salvemos o povo!!
Pois o povo não se salvará sozinho.
Façamos a revolução!!
Antes que o povo a faça.


"Pelo povo e pela esperança em meu coração!" Humelhor
Beatrix_algrave


- Agradeço por ter vindo, é muita gentileza sua. Uma pena mesmo que já precise partir. Tenha uma boa viagem e que Jah o acompanhe.

*Ela diz e agradece os votos e a visita.*

- Leve com o senhor esse pedaço de torta para a viagem.

*Diz e entrega uma generosa fatia de uma das tortas toucinho do céu que chegaram. É um doce muito saboroso, feito com amêndoas e gemas *



*Após a partida de Humelhor, Beatrix retoma os preparativos para a festa que acontecerá nessa noite.

Quando estendia uma toalha de renda sobre a mesa grande de madeira, Beatrix ouve batidas na porta e vai atender. Vê que se trata das três fiandeiras que finalmente chegaram para o trabalho no ateliê. Hoje, no entanto, elas irão ajudar com a festa.

_________________
Fiandeiras




Assim que Beatrix abre as portas, as três mulheres entram na casa com alvoroço. Carregando pacotes e farfalhando suas saias e xales pelo salão.

Trata-se de uma mocinha chamada Clotilde, uma mulher mais velha de nome Laurinda, que carrega uma criança pela mão, e uma senhora idosa chamada Atília. A criança é um menino de uns dez anos de idade de cabelos castanhos e olhos muito vivos. Seu nome é André.

Ele olha para a torta em cima da mesa de canto, com os olhos brilhando de vontade, mas não diz nem pede nada.

Laurinda: - Chegamos há pouco na cidade. Se não fosse a chuva teríamos chegado mais cedo, as estradas estavam péssimas.

Clotilde: - Perdoe o nosso atraso. Queríamos ter vindo mais cedo.

Atília, muito cansada não diz nada, apenas se senta em uma cadeira no canto da sala para retomar o fôlego da jornada.
Antoniusii


Antonius II ao chegar ao Atliê de sua amiga Dama Beatrix fica muito impressionado pelo fernezim que existe entre as ajudantes da artista!

Que belo espaço que tem aqui minha cara amiga faz jus as suas qualidades artisticas, muitos parabéns e desejo a melhor sorte do mundo!
Beatrix_algrave



Beatrix nota a cara de fome de André e lhe oferece uma fatia da torta.

Beatrix:- Fico feliz que chegaram. Estava preocupada. Podem se arrumar no quarto que preparei para as três. É seguindo pelo corredor ao fundo. A última porta da esquerda.

Ela diz e vai buscar um copo de água para Atília recobrar o ânimo. Nessa hora Beatrix percebe a chegada de AntoniusII, pois a porta da rua já estava aberta.

Beatrix:- Que bom vê-lo por aqui, senhor AntoniusII, seja bem-vindo e sente-se. É um prazer tê-lo aqui. Meu segundo convidado a chegar. Pena que o primeiro só veio se despedir e já partiu.

Ela diz sorridente e lhe traz um copo de vinho. Assim que Atília se recupera e as outras voltam do quarto já arrumadas para ajudar a servir, as mulheres começam a trazer vários quitutes da cozinha que vão dispondo sobre as mesas.

São belos assados dispostos em bandejas de prata e vários tipos de acompanhamentos, tanto doces, quanto salgados.

Caldeirada de bacalhau, açorda de sável, arroz dos oito tesouros, favas guisadas, vitela assada, pataniscas de couve-flor, cabrito assado com toucinho e chouriço, fataças na telha e pato com laranjas.



Como sobremesas, são dispostas em outra mesa, pastéis de santa clara, fatias de tomar, fios de ovos, queijadinhas, pão-de-ló, aletria doce, orelhas de abade, baba de camelo, barrigas de freiras, papos de anjo, farófias, bolo de alfarroba e toucinho do céu.


_________________
Fiandeiras
As fiandeiras prosseguem com a arrumação, dispondo as travessas adequadamente, deixando Beatrix livre para fazer sala para AntoniusII e quem mais dos convidados chegar.

O pequeno André termina seu pedaço de torta toucinho do céu, e vai também ajudar as mulheres.

Elas arrumam sobre a mesa principal algumas licoreiras com licores de vários tipos, de anis, de menta, de café, de laranja e de cereja para os convidados. Também há vinho e cerveja.

Pedrito


Pedrito hesitantemente entra. Ao reconhecer o seu irmão cumprimenta-o:

Boa noite AntoniusII, já há algum tempo que não te via

No entanto enquanto falava avistou um cabelo que lhe chamou a atenção

Beatrix, bela festa que estás aqui a organizar. Como vês sou pontual como os ingleses nem mais cedo nem mais tarde - comenta Pedrito com um sorriso

_________________
*
Beatrix_algrave


*Beatrix cumprimenta o recém-chegado com uma vênia.*

Beatrix:- Uma boa noite, senhor Pedrito. Seja bem-vindo a minha casa e ao meu ateliê que hoje está abrindo suas portas. Fico contente que tenha atendido meu convite.

*Ela diz sorridente e oferece a ele vinho ou licor, dependo do que preferir.

_________________
Fiandeiras


André entra disparando pela sala e sem muita cerimônia o menino, filho de Laurinda puxa a barra da saia de Beatrix pedindo por atenção.

André: - Senhorita, senhorita. Já chegaram. Podem entrar?

Pergunta apressado e pede uma resposta meio esbaforido.

_________________
"Para tecer com fios de luz
A força que me conduz
Para olhar o mundo
Desnudando lá no fundo
Da caixa de costura
A minha alma guardada
Para tecer comigo
A minha própria caminhada"
Beatrix_algrave


Beatrix quase derruba o cálice que oferecia a Pedrito. Então, diante da aflição do garoto ela responde.

Beatrix: - Mas o que se passa André? Quase que faço um tingimento acidental nos trajes do senhor Pedrito.

Só então se refresca a memória e ela responde ao menino.

Beatrix:- Ah! Entendo, que esquecida... Leve-os para os fundos. Devem entrar pelos fundos da casa.

Resposta dada, o menino sai aos pulos, com a mesma ligeireza com que entrou.

_________________
Capitu


Celia chega a casa de Beatrix... um pouco timinda pois não conhece ninguem.
comprimenta todos..... ao se servir de uma bebida, vai ate o atelie para vr as criações da Beatrix

_________________
Fiandeiras


Um garoto aparentando entre 8 a 10 anos, de cabelos castanhos um tanto bagunçados passa correndo por Célia e por pouco não esbarra nela. Ele deixa a casa e vai cumprir as ordens que recebeu de Beatrix.
Beatrix_algrave



Assim que avista Célia, Beatrix vai recebe-la do mesmo modo gentil com que recebeu os demais convidados.

Beatrix:- Boa noite, seja bem-vinda, fico feliz que tenha aceito meu convite.

*Beatrix diz e oferece vinho ou licor, de acordo com a preferência da convidada.*

Beatrix: - Desculpe os modos do André. Ele está um pouco agitado com a festa. Ele chegou hoje de viagem com a mãe e parece ter a energia de cem moinhos. Também temos whisky ou cerveja, se preferir.

Na sala de recepção estão alguns convidados que chegaram há pouco.
Algumas cadeiras estão disposta pelo salão, além das mesas com os quitutes e bebidas. O ateliê propriamente dito fica em um espaço contíguo, ao qual se pode ter acesso por uma porta de duas bandas. Lá se pode ver algumas peças, especialmente tecidos e vestidos sobre manequins de madeira forrada de tecido aveludado. Há também chapéus e calçados. Um escudo exposto em uma das paredes, e estão expostas em uma fileira sobre uma mesa de madeira diversas amostras de rendas de vários tipos e padrões.

_________________
See the RP information <<   1, 2, 3, ..., 40, 41, 42   >   >>
Copyright © JDWorks, Corbeaunoir & Elissa Ka | Update notes | Support us | 2008 - 2020
Special thanks to our amazing translators : Dunpeal (EN, PT), Eriti (IT), Azureus (FI)