Afficher le menu
Information and comments (0)
<<   1, 2, 3, 4, 5   >   >>

Info:
Unfortunately no additional information has been added for this RP.

[RP Semi-Privado] As Terras do Ermitão

Narrador_do_ermitao


As colinas ondulavam pelo terreno, a relva já coberta pelo alvo manto da neve recém caída, as ramas desfolhadas das árvores e arbustos erguidas como tétricas mãos escuras contra o horizonte. O rio, apesar do frio, ainda corria e o som das águas contra as pedras, nos meandros, ali onde a água se mantinha estanca, o gelo estendia suas garras.

Ali era fácil perder-se, as colinas se sucediam quase ininterruptamente, os rios cortavam aquela terra de altos e baixos, de colinas e vales, de bosques, campos e vinhas, ao encontro do Douro. Ao sul daquelas terras ainda resistia à força do tempo as ruínas de Bragança, ao norte a fronteira com a galícia, entre ambos a terra erma e bela das colinas da Terra Fria Trasmontana, a serra de Montezinho.

Era ali, próximo de um dos rios que cruzava aquele meandro de montes até lançar suas águas ao Douro que havia uma pequena cabana de madeira e pedra de canto e telhas de ardósia.

Ali, em meio ao frio da terra à sua volta, um fogo ardia no fogão à espera da comitiva que se aproximava.
Leticia


Era naquele local inóspito que ficava o local para onde Letícia deveria levar o corpo prior. Ali ele receberia os cuidados necessário até recuperar-se totalmente dos efeitos do veneno que foi forçado a empregar.

A visão da cabana em meio aquela imensidão inóspita e enregelada trazia esperança de descanso à comitiva que percorrera um longo trajeto incessantemente.

O grupo estava naquele instante alheio ao alvoroço que o sumiço do corpo do patriarca Yochanan Viana causaria.

Fora necessário manter aquela operação no mais absoluto sigilo. Especialmente da família, que deveria ser poupada das suspeitas que certamente poderiam recair.

Letícia não confiava em Celis, achava que a jovem Viana poderia pôr tudo a perder com sua emotividade. O amor que ela sentia pelo pai poderia trair o sigilo, se acaso ela desejasse velo, enquanto estivesse na serra de Montezinho.

Quanto ao jovem rapaz, para ele sobraria um fardo já bastante pesado, o de administrar o feudo de Yochanan durante sua demorada ausência e zelar por Celis.

Poderia soar rude ou mesmo frio, mas poupa-los dos detalhes do plano era visto como uma parte essencial de seu sucesso. Assim, pensava Letícia, assim pensavam os membros da comitiva.

Quanto a Ava, ela seria vigiada, e se traísse ou intentasse em algum momento trair o segredo seria executada antes de prejudicar o sigilo. Em breve, caso ela se mostrasse digna, Letícia ordenaria que ela fosse trazida até ali. O rapto ocorreria assim que Yochanan estivesse recuperado.

A carruagem parou, e Letícia desceu.

- Cá estamos, precisamos agir rapidamente.


_________________
Narrador_do_ermitao


No meio do ermo o silêncio reinava imperante, os sons da natureza harmoniosos entre si permitiam que se escutasse o aproximar da comitiva ainda a grande distância e assim, quando Letícia desceu da carruagem já haviam três homens em trajes monacais negros aguardando-a. A única identificação que eles portavam era um anel na mão esquerda com uma única e solitária safira. Aqueles homens eram Arcani, pessoas raras de se encontrar e ainda mais encontrar assim reunidas.

Eles ajudaram à Letícia e seus homens a descarregaram o corpo do Prior, e a descer a anciã quem a comitiva havia buscado junto às ruínas de Bragança. Ante as palavras de Letícia um deles responde, sua voz suave, seu sotaque estrangeiro:

-Assim é signora, o tempo apremia, devemos entrar vamos vamos, o carro não deve perder-se por muito tempo nestas serras. e então quando encontrou com a anciã lhe disse fazendo uma vênia: - Grato por ter atendido o chamado reverenda signora. Vostra ajuda será inestimável para todos nós. Eo sono Bettino. Por favor...- Ele concluiu com um gesto indicando a si próprio e depois à porta da cabana. Assim que eles descarregassem tudo o que tinham que descarregar e colocassem os substitutos no lugar, a carruagem partiria continuando seu caminho e sua missão.
Leticia


Letícia cumprimentou brevemente Bettino e acompanhou cuidadosamente o descarregamento do corpo do prior que deveria ser levado para dentro da cabana, onde seria mantido aquecido e receberia os cuidados da druidesa para que finalmente despertasse sem sequelas daquele sono mórbido.

A missão de Letícia havia parcialmente terminado. Mas ela precisava aguardar pela segunda parte do plano. Essa espera a impacientava. Por dentro ela estava agitada como um animal enjaulado, mas por fora ela demonstrava uma frieza exemplar e parecia se divertir com aquela situação ligeiramente mórbida de esperar o despertar de um defunto.

Em outros tempos, talvez considerassem Yochanan uma espécie de santo. Aquilo era um verdadeiro milagre produzido pelo conhecimento profundo dos venenos e dos humores corpóreos. Era um conhecimento que Letícia admirava.

_________________
Fiandeiras


Atília atendera prontamente o chamado do prior, e fora levada de sua casa por William, que também a usara como mensageira de Beatrix na entrega do traje especial do prior.

Mas sua utilidade iria muito além disso. Ela usaria os seus conhecimentos druídicos para auxiliar o prior em seu retorno, pois o veneno que entorpecia o corpo e levava aquele estado, também entorpecia a alma, e era preciso uma ajuda extra para evitar que o fio da vida de fato se rompesse e que a alma do prior decidisse passar para o "Outro Lado".

Ela usaria toda a sua arte neste mister, acompanhando-o dia e noite até que ele finalmente despertasse e recuperasse plenamente os sentidos e suas faculdades.

_________________
"Para tecer com fios de luz
A força que me conduz
Para olhar o mundo
Desnudando lá no fundo
Da caixa de costura
A minha alma guardada
Para tecer comigo
A minha própria caminhada"
Yochanan


Aqueles últimos momentos cruzavam a sua mente, difusos como imagens de um conto que não era seu. Fragmentos e sensações se misturavam em uma massa informe de memórias. O piso de pedra fria e dura baixo seus pés, as barras de ferro ásperas em suas mãos, o cheiro forte e pérfido que impregnava aquele lugar, os sons apagados do desespero e o silêncio da desesperança enchiam seus ouvidos. O doce toque dos lábios dela, os protestos da filha arrancada dali, o pequeno frasco de vidro, vazio em suas mãos, o remorso pela dor que era necessária infligir naqueles a quem amava. As vestes novas contra sua pele, o líquido amargo já em seu estomago, seu passo digno em direção ao cadafalso, o toque áspero da corda, o vazio baixo seus pés, a escuridão e o frio.

Agora caminhava sobre um caminho de terra e pedra, gasto pelos pés de muitas gerações, ladeado de espinheiros tão altos como ele e com espinhos, afiados como uma navalha, do tamanho de seu polegar. As curvas de caminho, seus cruzamentos e bifurcações, não deixavam antever o que havia muito mais adiante, mas ele já estivera ali antes, e ainda que não fosse ali, era para aquele lugar que ele havia estado indo nos últimos meses durante suas visitas ao quarto secreto do templo romano nos Paços dos Arcanjos. Aquela era a visão do Caminho, cujo passo é estreito e os perigos inúmeros.

Por longo tempo ele caminhou por aquela terra de eterna penumbra até chegar a um espaço aberto, como uma praça, do qual partiam dez caminhos considerando aquele pelo qual havia chegado. Cada um desses caminhos tinha seu ingresso marcado por um símbolo e no centro daquela praça haviam nove assentos em torno ao mesmo símbolo que aquele no portal pelo qual havia cruzado. Um símbolo que ele carregava: A Cruz dos Azure.

A visão que ele havia tido tantos anos antes durante seus estudos em Bayt Ghyr Marwf se repetia, igual mas distinta. O símbolo no centro daquela praça, gasto pelo tempo, ficara difuso e quebrado. O fim da Ordem de Azure se anunciava e um novo tempo teria inicio nas fauces do Ouroboros.

Sentiu o frio, um golpe de ar levou a visão para longe e se viu submerso, cercado por água e sangue e morte. Abriu a boca para respirar, mas não havia nada. Tentou se mover, mas estava preso dentro de si mesmo. A escuridão e o frio cercavam cada centímetro do espaço ao seu redor. Sentiu o peso de si mesmo, e as forças abandonar-lo, viu seu pai e sua linhagem, viu sua Ordem, seu propósito e seu fim. Viu a Luz e a Sombra em sua dança eterna e sentiu paz e temor, quão belo e frágil era o Equilíbrio e quão terríveis eram aquelas duas forças, ambas capazes de criar e destruir com a mesma facilidade.

Sentiu um lento palpitar em seu ouvido, como trovões de uma tempestade distante, e então abriu a boca em busca do ar que encheu seus pulmões, e os olhos viam a imagem de um mundo renascido para ele e ardiam como se os tivesse aberto nas águas do mar.

Sentia a garganta seca e os lábios requebrados, as mãos e pés os sentia entumecidos, os braços e pernas formigavam. Sentiu-se tonto, e novamente foi abraçado pela escuridão, mas desta vez, pela escuridão reparadora de um sono sem sonhos acompassado por uma respiração tranquila.

_________________
Narrador_do_ermitao


Haviam passado já alguns dias desde o enforcamento de Yochanan, e ali, no meio das serras boreais portuguesas, naquela pequena cabana oculta pelo terreno, o corpo do Prior dos Azure repousava em uma cama junto ao fogo. Do lado de fora a neve cobria o mundo com seu manto branco e o céu se exibia coberto de nuvens que o sol tingia de rubro no entardecer daquele dia, o primeiro de um novo ano que tinha seu inicio.

Os Arcani se revesavam na vigília pelo prior quem mantinha seu sono de morte inalterado até o momento em que a primeira estrela apareceu no céu invernal naquele dia. Dando uma lufada de ar como o mergulhador que busca respirar depois de longo tempo baixo d'água o Viana retornava ao mundo dos vivos apenas para recair no sono momentos depois. Era Bettino quem estava ao lado da cama do prior naquele momento e no pequeno espaço compartido chamou por Atília. - Signora, o Prior ha despertado e volto a dormir. - ele disse. - Contentemo-nos pois ele vive.
Fiandeiras


Atília ouviu as palavras de Bettino e observou atentamente o prior. Ele visivelmente respirava e sua respiração tinha a cadência tranquila de um sono profundo e reparador. Ela fez uma prece aos deuses da vida e da morte e aos guardiões da passagem, por terem permitido a permanência do prior no mundo dos vivos ainda por um tempo. Aos poucos o corpo dele encontrava o equilíbrio e suas energias se restauravam. Seu rosto tornava-se menos pálido e ele ganhava uma cor mais salutar.

Em breve seu trabalho junto ao prior estaria acabado, por enquanto, e ela poderia retornar ao seu lar.

_________________
"Para tecer com fios de luz
A força que me conduz
Para olhar o mundo
Desnudando lá no fundo
Da caixa de costura
A minha alma guardada
Para tecer comigo
A minha própria caminhada"
Yochanan


Ele acordou na manhã seguinte, ainda um pouco debilitado pelos efeitos do veneno, mas vivo ao fim. Esta vez era Benas e Atília quem estavam a seu lado quando ele despertou. Sem falar já há nove anos, Benas havia feito um voto de silêncio. Quando ele tentou se levantar, Benas colocou a mão sobre seu peito impedindo-o e indicando assim que ele deveria ficar deitado ainda.

- Tudo bem meu amigo. - disse o Viana em voz baixa e cansada enquanto assentia à Benas. - Por favor mande chamar Letícia, há algo que ela deve fazer e ela já deve estar a impacientar-se. Tendo que esperar um morto despertar. - Ele brincou e riu. Tendo saído o arcani, ele virou o rosto para Atília e disse: -Obrigado minha senhora, perdoe-me que a haja envolvido nisso, mas como daquela vez, nesta o vosso saber nos foi vital. - Ele confessou à Atília. E então olhando para cima completou. -Os tempos estão mudando, a Roda girou sobre o Caminho.

_________________
Fiandeiras


Atília acompanhou o despertar do prior ouviu suas palavras. Apesar de ainda fraco e necessitando de mais descanso, o importante é que ele estava bem, a recuperação fora perfeita e o sono reparara as energias suficientemente para que ele voltasse a fazer uso de suas faculdade físicas e mentais.

- Saiba que pode sempre contar com meus préstimos.

Ela disse e assentiu com um aceno de cabeça. Pediu para retirar-se pois iria preparar o primeiro alimento para o prior recuperar suas forças, uma sopa rala de carne e legumes.

_________________
"Para tecer com fios de luz
A força que me conduz
Para olhar o mundo
Desnudando lá no fundo
Da caixa de costura
A minha alma guardada
Para tecer comigo
A minha própria caminhada"
Leticia


Letícia compareceu aiim que foi chamada pelo prior, depois que esse se alimentou.

Ela o cumprimentou e foi logo perguntando sobre a outra parte do plano que lhe cabia. Apesar de ansiosa seu sorriso era frio e o seu olhar indiferente.

- Vejo que acordou bem disposto. O plano deu mesmo certo como previsto. Creio que agora devemos proceder com a outra etapa.

_________________
Yochanan


Quando Atília retornou com a comida o Prior se esforçou para sentar-se, conseguindo-o com a ajuda silenciosa de Benas. Ele tomou a sopa devagar seguindo as instruções da anciã Atília para que aquele líquido reparador permanecesse em seu estomago apesar das ânsias que por vezes o acometia entre uma colherada e outra.

Terminado o prato de comida, ele agradeceu Atília novamente e recebeu Letícia.

Ante as palavras dela ele assentiu em silêncio e disse: - Em três dias deves trazer-la. - Era desnecessário dizer nomes pois ambos sabiam de quem se tratava. - Em segredo, sequestre-a se preciso para justificar a falta dela. - completou sereno. - Confio que saberás como proceder da melhor forma.

Ele concluiu já fechando os olhos e encostando a cabeça na parede na qual esta encostada a cama, com um gesto cansado da mão despediu Letícia para que ela colocasse em andamento a seguinte fase do plano. Mas antes que ela deixasse o quarto ele disse: -E cuidado com os agentes do Celestino, eles devem ficar mais atrevidos agora que morri. - ele disse com um sorriso irônico.

Após a saída de Letícia entrou Bettino.

- Bettino, temos noticias do norte?

Bettino apenas assentiu e então fechou a porta, estando os dois a sós, conferenciaram em privado sobre os assuntos que a Ordem tinha na fronteira do norte.

_________________
Leticia


Letícia silenciosamente assentiu. Quando o prior citou o nome de Apolinário Celestino, o rosto de Letícia assomou aos lábios um sorriso de desprezo. Ela não via a hora de confrontar-se com o crápula que arquitetara tantos planos sujos e que tanto trabalho lhe dera. O fato dele estar um passo a frente em relação a Letícia a ofendia, a exasperava. Dar-lhe cabo seria algo imensamente prazeroso. Esse pensamento trouxe um brilho malicioso aos olhos da loira, enquanto ela caminhava para fora da cabana.

Um cavalo e uma escolta já havia sido preparada para ela e sem demora ela partiu rumo ao Porto, onde arquitetaria a execução do rapto de Ava.

_________________
Yochanan


Não fossem as noticias que os três abençoados lhe faziam chegar, o Prior poderia crer que aquele lugar sereno, aquele refúgio afastado do resto do mundo refletia a verdade do mundo exterior, quase um paraíso terrenal. Quase, pois faltava a presença dela. Seu rosto invadia os pensamentos do Prior nos poucos momentos de descanso que ele tinha.

- O inimigo mostrou suas garras, e muito me temo que elas são mais aceradas do que prevíamos meu senhor Prior. - disse Bettino em uma das reuniões matinais que teve com o Prior.

- Os inimigos do Equilíbrio são muitos e vários Bettino, mas se aliaram a Celestino porque ele lhes mostrou na Ordem um inimigo comum a eles, e por isso a Ordem deve deixar de existir para os inimigos do Equilíbrio. - havia respondido o Prior naquela ocasião. - Minha morte foi o disparador desta ação contra nós, mas também é com a nossa morte, o nosso sacrifício, que o Equilíbrio poderá ser restaurado. A Ordem deverá tornar-se um suspiro na memória dos povos, um fantasma nos sonhos dos inocentes, e para isso muitos deverão dar suas vidas. - A voz do Prior soava cansada. - Bettino, estamos nas fauces do Ouroboros.

- Mas então o que fazemos agora? - Havia perguntado Bento.

- Agora, esperamos a chegada dela. Pois apenas através dela poderei dar as instruções para a última jogada da Ordem de Azure. - respondera o Prior, e em voz baixa ele disse a si mesmo - Em Portelo se decidirá o destino do mundo.

_________________
--William_algrave


William auxiliou a Dama Ava a descer da carruagem e a conduziu até a porta da cabana.

- Finalmente chegamos, senhorita. É aqui que poderá encontrar aquele que nos ordenou trazê-la. Foi mais difícil do que imaginávamos, mas posso dizer que a missão está completa.

Ele disse e aguardou que viessem recebê-los.
See the RP information <<   1, 2, 3, 4, 5   >   >>
Copyright © JDWorks, Corbeaunoir & Elissa Ka | Update notes | Support us | 2008 - 2020
Special thanks to our amazing translators : Dunpeal (EN, PT), Eriti (IT), Azureus (FI)