Afficher le menu
Information and comments (0)
<<   <   1, 2, 3, 4, 5, 6   >   >>

[Cerimônias Reais] Coroação de Sua Majestade Eduardo I

Vivian


A cerimônia teve início; o cheiro das flores do jardim do Paço traziam aquela sensação primaveril da qual Vivian muito gostava. Prestando atenção na leitura do Livro das Virtudes, a Condessa do Porto disse em baixo tom de voz:

- Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN

_________________

Countess of Porto • Baroness of Póvoa de Varzim • Royal Treasurer of Portugal • Rector of University of Porto
Rosabelle



Do reino de Aragão, o governador tomou seu lugar entre os presentes.
Rosabelle participou da coroação do soberano do Reino de Portugal.

Ele se juntou à oração

Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN




_________________
Lyssah
Lyssah, a jovem Sagres, chega quase atrasada para a cerimônia. Acabara por se enrolar com os afazeres do conselho de Coimbra, já que, após Velentina e Falcaoazul roubarem 160 mil cruzados agora o condado estava quase falido e demandava muito tempo.

A diaconisa ingressou no exato momento em que seu amado tio Adonnis iniciava o Credo.

- Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN
- disse com fé enquanto caminhava para seu lugar, reservado à frente.

No entanto, algo chamou sua atenção.

- Não é possível que ela teve a pachorra de dar as caras aqui! - disse para si mesma.

Como general do Exército Real Português Lys chegou a colocar a mão na espada, pronta para expulsar a criminosa com suas próprias forças. Mas pensando no quanto prejudicaria uma cerimônia tão importante, a jovem apenas fez sinal a dois de seus soldados e murmurou:

- Escoltem Dama Velentina para fora da igreja. Ahh....sejam discretos, não queremos que a criminosa faça um escândalo.
_________________
Lyssah Ferreira de Queirós Silva e Sagres
Cidade de Leiria - Condado de Coimbra - Reino de Portugal


Condessa de Coimbra - Vice-Chanceler de Portugal - Senescal da Arquidiocese de Lisboa - Diaconisa Paroquial de Alcobaça - Assistente de Planejamento de Leiria
Chidozie


Henrique Chidozie juntou-se a oração!


Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN

_________________
Mezut
Mezut ajoelha-se e recita a oração:

Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN

_________________
Mezut Burgos
Marshallv


Marshallv Se Ajoelha e Recita em Voz Baixa a Oração:

Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN
Vicenzo


Leopoldo havia cruzado até o altar um par de passos atrás do Cardeal Primaz Adonnis, sob o som do Coro Primacial. Assumindo seu lugar ao lado do amigo e colega eclesiástico, o Vice-Primaz ouviu as palavras do sermão, e rezou o credo junto com os presentes:

Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN

Quando o silêncio se fez novamente, com uma troca de olhares com o Primaz, ele se adiantou e disse, dirigindo-se a Eduardo:

Por nossas mãos, atuando-nos nesta cerimônia como representantes de Jah, dos Santos e os Profetas da verdadeira Fé, receberás a santa unção e as insígnias do Reino e de teu Governo, é conveniente que te advirtamos antes do ônus ao qual te destinas. Recebes hoje a dignidade Real e assumes o dever de reger e liderar os vossos súditos.

O cetro, emblema da autoridade real e divina, como com seu cajado o pastor guia seu rebanho, deve o Rei guiar seu povo. O orbe, insígnia do domínio do Altíssimo sobre o mundo representa o domínio do monarca sobre todas as questões terrenas . O anel, símbolo de sua autoridade e identidade, de sua aliança com seu povo e sua responsabilidade como pai da nação. A coroa, símbolo de seu reinado, de sua autoridade sobre estas terras e seus súditos, da proteção e consciência divina, de seu poder e sua posição sobre os homens . Estas são as Insignias do Reino, este é o compromisso que firmas neste dia.

Eduardo Próspero, perante nós, diante deste altar, e perante o teu povo neste nosso reino, vos peço que faça vosso juramento.

_________________
Eduardo


O Rei acompanhou o coro na pronunciação do credo:

Credo in Deum,
Altissimum Omnipotentem,
Creatorem caeli et terrae,
Inferos et paradisi,
Ultima hora animae judicem nostrae

Et in Aristotelem, prophetam,
Nicomaqui Phaetique filium,
Missum ut sapientiam et universi
Divas leges errantibus hominibus erudiret

Credo etiam in Christum,
Natum ex Maria et Ioseph,
Vitam dedit ut nobis paradisi viam monstraret
Sic, postquam sub Pontio passus est
Propter salutem
Nostram martyr perivit
Consecutus est Solem
Ubi Aristoteles ad Altissimi dexteram eum expectabat

Credo in Divinam Actionem,
Sanctam Ecclesiam aristotelicianam, romanam, unam et indivisibilem
Sanctorum communionem,
Peccatorum remissionem,
Vitam aeternam.

AMEN



Acompanhando o Vice-Primaz, Eduardo segue para seu juramento:

Eu, Eduardo de Portugal, professo e prometo solenemente diante de Jah, Aristóteles, e Christos, diante dos Santos, Anjos e Arcanjos da Santa Igreja Aristotélica, sob testemunho dos meus irmãos e irmãs aristotélicos, meus súditos e de todos aqui presentes, promover, respeitar e conservar as leis do meu Reino, promover a Justiça, a paz da Igreja, e do povo sob minhas ordens. Ao Santo Padre da Igreja Aristotélica, e aos Prelados, seus representantes, prestar a devida reverência. Aos Nobres, Conselheiros e meus Assistentes, prestarei a conveniente honra, segundo os conselhos de meus fiéis assessores.

Que Jah me ajude!

_________________
Pela Graça de Deus, Sua Majestade Real D. Eduardo I de Portugal, Rei de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar
Adonnis
O Cardeal acompanhou serenamente o novo Monarca proferindo seu juramento. Na noite que antecedeu a coroação, o novo soberano esteve na Capela Real, onde se confessou consigo e com o Vice-Primaz. Era hora, portanto, de realizar a unção apostólica sobre o novo governante.

Adonnis meneou a cabeça em direção aos acólitos e estes aproximaram-se do Cardeal. Um deles trazia consigo o aspersório e o outro, o Livro das Virtudes.

Enquanto aspergiu água benta sob o Monarca, o Cardeal rezava


Ominipotens sempiterne Deum, Creator omnium, Imperator Angelorum, Rex regum, et Dominum dominantium. Réspice quaesumus, Domine, ad preces humilitatis nostrae et super hunc famulum tuum Eduardo quem supplici devotione in Regem eligimus, benedictionum tuaarum dona multiplica, eumque dexterae tuae potentia semper et ubique circumda, quatenus praedicti Sactorum fidelitate firmatus, tibi in omnibus complaceat, et per tramitem justitiae inoffenso gressu semper incedat; tuae quoque protectionis galea munitus, et scuto insuperabili jugiter protectus, arminisque coelestibus circumdatus, optabilis de hostibus sanctae crucis victoriae triumphum feliciter capiat.

Per Dominum nostrum, in quo potestas omnis, regnique consitit victoria, qui est gloria humilium, et vita salusque populorum, qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus sancti Deum, per omnia saecula saeculorum. Amen.*


Em seguida, Adonnis pegou o Livro das Virtudes e pousou sobre a cabeça do Monarca, momento em que o abençoou.

Ego tandem benedicimus, in nomine Deum, et Aristotelem, et Christum. Amen.**

Em seguida, o Cardeal meneou novamente a cabeça em sinal para que os acólitos se afastassem.



*Onipotente, eterno Deus, Criador de todos, Imperador dos Anjos, Rei dos reis, Senhor dos senhores. Atende, Senhor, nossas humildes preces e multiplica sobre este teu servo Eduardo, a quem elegemos em súplice devoção para Rei, os dons de tuas bençãos, munindo-o sempre e por toda parte com o poder de tua benção, para que ele, firme na fidelidade como os santos, te agrade em tudo e proceda sempre no caminho da justiça inviolada; também munido do elmo da tua proteção, bem protegido por um escudo invencível, circundado de armas celestiais, obtenha feliz o triunfo duma bela vitória sobre os inimigos da Santa Cruz.

Por Nosso Senhor, no qual se baseia todo poder e toda vitória do reino, quem é a glória dos humildes, vida e salvação dos povos - quem contigo vive e reina em união com o Espírito Santo Deus por todos os séculos dos séculos. Amém.

** Eu te abençoo, em nome de Deus, de Aristóteles e de Christos. Amém.


_________________

It's just a game!
Vicenzo


Vicenzo acompanhou o juramento do novo monarca, e após isso cedeu o lugar novamente ao cardeal. Enquanto este ungia a Eduardo, para que fosse coroado com todas as bençãos do Criador, Vicenzo se encaminhou ao altar onde, cada uma em sua própria almofada carmim, repousavam as Jóias da Coroa.

Ele se deteve diante das joias e recebeu o aspersório de um dos acólitos.

Enquanto aspergia água benta sobre as jóias, disse:

- Abençoadas sejam estas, símbolos da aliança entre o monarca e seu povo, entre o terrenal e o espiritual, entre o reino e o Criador. De sua autoridade e responsabilidade. - ele então se colocou diante do monarca, enquanto um acólito se colocou ao seu lado carregando a almofada com o anel. - Jah Todo-Poderoso, que estais presente sem distinção, sempre que a mente devota o invoca, nós vos suplicamos, pelo efeito de seu costumeiro amor, que derrameis sobre Eduardo Próspero, vosso servo, a graça e a plenitude da virtude. Com este anel, concedo-vos o dever de proteger e defender o povo português. - ele disse enquanto tomava o anel da almofada e o colocava na mão direita do monarca.


_________________
Adonnis
Adonnis sorria ao ver o Vice-Primaz e amigo colocando o Anel Régio no dedo do Monarca. O momento era, de fato, solene e fazia o Primaz sentir em sua pele a energia divina que emanava do Monarca, mostrando que, de fato, ele estava ali por Direito Divino, representando a vontade do próprio Deus.

Quando chegou a sua vez, Adonnis pegou o globus cruciger e o ergueu no ar, enquanto rezava:


Jah Todo-Poderoso, que estais presente sem distinção, sempre que a mente devota o invoca, vos pedimos sobre nós e sobre o vosso filho Eduardo Próspero, para que derrameis sobre ele a graça da justiça e da temperança.

E então, enquanto colocava o Orbe sobre a mão direita do Monarca, Adonnis dizia: Com este orbe, símbolo da palavra de Jah, concedo-vos o dever de defender a Santa Madre Igreja Aristotélica Universal e Romana, bem como de prestar lhe auxílio para espalhar a palavra de Jah, Aristóteles e Christos.


_________________

It's just a game!
Vicenzo


Os acólitos se revezavam trazendo as jóias uma a uma para os celebrantes, de modo que eles se alternavam entregando cada uma das regalias ao monarca. Novamente era o vice-primaz quem se colocava diante do monarca, e tomando o cetro que lhe era ofertado pelo acólito disse enquanto entregava o bastão dourado na mão esquerda de Eduardo.

- Com este cetro, símbolo da justiça e de seu comando, concedo-vos o dever de zelar pela justiça no Reino.


_________________
Adonnis
O acólito, então, se aproximou trazendo a última regalia: a Coroa Real. Adonnis pegou a Coroa com as duas mãos e virou-se para o povo que assistia a cerimônia.

O Reino de Portugal clama por um Rei e esta será a sua Coroa. As jóias desta Coroa refletem o Porto, Coimbra, Lisboa e todos os Baronatos, Viscondados, Condados, Marquesados e Ducados que, juntos, formam o Reino de Portugal, dos Algarves, Daquém e Além Mar em África.

O Monarca é eleito por direito e inspiração divina e, em virtude disto, a Santa Madre Igreja, como suprema guardiã da fé aristotélica reconhece seu filho Eduardo Próspero e o nomeia como Monarca de Portugal para que ele reine e governe, de acordo com a vontade de Deus.


Após isto, ele ergueu a Coroa e começou a rezar:

Jah Todo-Poderoso que estais presente sem distinção sempre que a mente devota o invoca, rogamos por nós e por teu filho Eduardo. Que por seu costumeiro amor, derramais sobre ele a graça da astúcia, da temperança, da virtude, da justiça e da amizade.

Em seguida, o Cardeal colocou a Coroa sobre a cabeça de Eduardo e disse:

Esta é a Coroa Real de Portugal e com ela, lhe outorgo a autoridade para governar sobre o Reino de Portugal, sob o atento olhar de Jah, Aristóteles e Christos e com o dever de zelar sempre pelos habitantes do Reino, que sobre ti depositam a sua confiança.



Então, Adonnis concluiu:

Eduardo, com o poder que nos é outorgado pela Santa Madre Igreja, nós lhe coroamos Dom Eduardo I, Rei de Portugal, dos Algarves, Daquém e Além Mar em África.

O Primaz respirou profundamente e continuou:

Levante-se Rei Eduardo. Doravante e até a sua morte, serás neste Reino o Primeiro Guardião da Fé Aristotélica e o Defensor Perpétuo de Portugal.

Colocando-se de lado, Adonnis abriu o caminho, momento em que Eduardo levantou-se para subir ao pórtico e colocar-se de frente para os convidados.

Quando o Rei virou-se para o público, Adonnis ergueu ao céu o punho cerrado, brandiu:


Vida longa ao Rei!
_________________

It's just a game!
Eduardo


Devidamente paramentado, o Rei erguei o cetro e disse:

Meus Súditos,
A sagração de um novo Rei é sempre bem recebida pela honrosa alegria do povo lusitano. Com muita humildade, recebo esta missão e expresso minha gratidão a todos vós. Vida longa ao Rei!


Faz uma pausa para acompanhar o coro e diz:

Convido a todos a nos acompanhar até o nobre salão ao lado para darmos início a cerimônia de renovação dos votos nobiliárquicos e a investidura dos novos nobres.

_________________
Pela Graça de Deus, Sua Majestade Real D. Eduardo I de Portugal, Rei de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar
Vicenzo


Uma hora havia se passado desde que o rei fora coroado, e agora tudo estava pronto no salão para a investidura dos nobres. Os pendões reais ornavam as colunas e no beiral da galeria as armas dos reis do passado contavam a história da sucessão real de Portugal, desde a reconquista até os dias atuais.

Leopoldo e outros dois arautos se colocaram a um lado da tarima sobre a qual estava o trono de Sua Majestade, e diante deste a almofada onde os nobres se ajoelharão para fazer o seu juramento.

Por causa das reformas que tinham lugar em todo o reino, a longa cerimônia havia sido simplificada pelo Colégio Heráldico em conjunto com o Real Arquivo Nobiliárquico, que passariam a ser uma única instituição a partir das próximas semanas. O próprio Conselho de Sintra deixaria de existir antes do fim do ano, e uma profunda mudança se avizinhava à instituição nobiliárquica lusitana. Aquelas eram as últimas ondulações provocadas pela Reforma Nobiliárquica de dois anos antes e a renovação da Carta Magna do Reino.

Assim, aquela seria a última investidura real nos moldes tradicionais, e como tal, deixava Leopoldo um pouco ansioso, expectante de que tudo correria bem.

Com exceção de um, todos os nobres que seriam investidos naquele dia aguardavam em uma antessala preparada para tal, e entrariam a medida que fossem sendo chamados ao salão, se ajoelhariam na almofada diante do monarca e receberiam seus títulos e armas após fazerem seu juramento.

Leopoldo respirou fundo algumas vezes e olhou em volta para garantir que tudo estava onde deveria estar. Então com um aceno previamente combinado com o arauto junto à porta da antessala, deu-se inicio à cerimonia.

Três sonoras batidas ecoaram pelo salão chamando ao silêncio, e o primeiro nome foi chamado:

- O Honorável Toddy Blackburn, Barão da Fortaleza do Lis

_________________
See the RP information <<   <   1, 2, 3, 4, 5, 6   >   >>
Copyright © JDWorks, Corbeaunoir & Elissa Ka | Update notes | Support us | 2008 - 2022
Special thanks to our amazing translators : Dunpeal (EN, PT), Eriti (IT), Azureus (FI)